As ameaças a Sérgio Moro e a omissão covarde da imprensa

Compartilhe:

É espantoso o silêncio dos jornalistas diante dos mais variados ataques e ameaças dos criminosos perpetrados contra os protagonistas da Operação Lava-Jato.

Assistimos a um verdadeiro e interminável filme de terror no lamaçal político brasileiro. A cada anoitecer tomamos ciência de mais um escândalo, uma nova denúncia, ou um procedimento criminal envolvendo a cúpula de marginais que dominou o país.

Lula e sua caterva, a cada dia que passa, mais se comprometem no emaranhado de corrupção e na gama de crimes que cometeram em nome de um conhecido projeto de poder autoritário: o projeto batizado pelo Foro de São Paulo com as bênçãos de ditadores e da escória latino-americana.

Neste cenário, ao invés de recolher-se à sua insignificância – e, eventualmente concentrar-se em sua defesa processual – a súcia ataca o homem que bravamente enfrenta o sistema cleptocrática brasileiro. Falo do excelentíssimo doutor Sérgio Moro.

Muito longe de querer me passar por sua advogada de defesa. Ele não precisaria disso. Hoje seu advogado é seu trabalho, sua competência, sua lisura. Não tenho procuração para defendê-lo, mas os ataques e ameaças nada veladas que esse juiz vem sofrendo da malta política brasileira são inadmissíveis, injustificáveis e só mostram como criamos uma máfia intocável que mora nos recônditos do poder brasileiro.

É inacreditável como a imprensa se mantém calada e se dispõe, praticamente, a narrar como inofensiva as investidas sofridas por Sérgio Moro e por sua equipe. Dão voz aos ataques de seus condenados ( ou processados ) e se esquecem de evidenciar os crimes de lesa-pátria por eles cometidos.

Bandidos apresentam-se com a maior desenvoltura e audácia em tribunas, palcos, rádios e outros locais, atacam despudoradamente a justiça brasileira e tudo permanece ignorado. Recentemente, o baderneiro/incitador de crime, expoente máximo do grupo terrorista denominado MST, João Pedro Stédille, ofendeu e “advertiu” o referido juiz e tudo foi tratado como normalidade; um “exercício da democracia em sua liberdade de expressão “. É essa imprensa covarde e parcial que garante a bravata destes marginais. A indiferença da imprensa ceva a coragem dos canalhas e criminosos, que não respeitam minimamente o Brasil, seu povo e suas instituições.

Um homem que já perdeu completamente sua liberdade para o crime organizado no país. Um homem que não pode mais dar-se ao luxo de levar um filho à escola, ou a ir a um cinema. Para tal precisa de uma legião de seguranças. E com razão! Ele está mourejando contra interesses de criminosos da mais alta periculosidade, que não pensariam duas vezes em impingir-lhe um mal.

É espantoso o silêncio dos jornalistas diante dos mais variados ataques e ameaças dos criminosos perpetrados contra os protagonistas da Operação Lava-Jato, sem que seja feita uma única denúncia contundente acerca dessas deploráveis condutas e suas motivações. A imprensa precisa fazer seu papel e mostrar à sociedade brasileira quem são os verdadeiros demônios neste inferno que o país foi transformado.

A República de Curitiba ainda resiste bravamente nadando contra a maré e enfrentando uma poderosa mamparra que não conhece o significado do termo império da Lei e sua aplicação no sistema republicano.

Sérgio Moro e sua equipe fazem mais pelo Brasil – no sentido da informação passada ao povo brasileiro acerca dos criminosos que destruiram o país – do que a imprensa, que se resume a assistir de maneira inerte a quase todas as ofensivas dessa súcia, sem apontar aquilo que estão fazendo para intimidar os verdadeiros e honrados homens públicos deste país.

Sérgio Moro, sua virtuosa equipe e os valores por eles representados precisam ser defendidos neste grave momento político-institucional, já que desconhecemos onde começa o crime e termina a República.

Fonte: Mídia sem mascara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *